Facebook Blog - Fiquemforma

Coma para treinar, não treine para comer!

Quem já tem um compromisso consistente com o treino há pelo menos 6 meses sabe que não é por treinar que pode comer indiscriminadamente. O consumo calórico deve ser adaptado às necessidades diárias e ao tipo de actividade física que tem. Existem pessoas que querem emagrecer, mas que quando começam a treinar com o esse objectivo, passam a comer ainda mais do que o que comiam anteriormente. O que a maioria das pessoas que não tem noção é que são precisas 7000 calorias gastas para reduzir um quilograma em gordura. Portanto, há que conseguir fazer um balanço negativo de 200 a 400 calorias diárias, por exemplo, para que ao fim de uns dias consiga ter menos um quilograma de gordura. É por estas razões que na Fiquemforma temos sempre a preocupação de explicar aos nossos alunos estas problemáticas para que adquiram a consciência necessária para mudarem de hábitos.

Como é que se consegue fazer um balanço calórico negativo?

É possível recorrendo a três vias, treino, alimentação e repouso. O treino vai permitir aumentar o consumo energéctico, a alimentação vai permitir consumir um pouco menos que as necessidades diárias e o sono vai regular o organismo e por essa via aumentar naturalmente o consumo de gorduras. A conjugação destas três dimensões tem um efeito extraordinário. Contudo, é a consistência com que se põe em prática este método é que nos leva a conseguir obter resultados. Após o período em que atingiu a composição corporal pretendida, já não é necessário fazer um balanço calórico negativo, deve-se sim consumir de acordo com as necessidades. Se voltar a consumir mais do que o necessário voltará a acumular gordura. É mesmo uma questão matemática.
Os planos alimentares que disponibilizamos aos nossos atletas são sempre planos que têm em conta o objectivo e a quantidade de exercício físico que praticam. O desejável é que as pessoas comam para conseguirem treinar bem e não que treinem para comer desmedidamente. As dietas altamente restritivas não são compatíveis com um programa de exercícios que vise objectivos concretos como perder gordura ou aumento da massa muscular. Portanto a nossa sugestão é sempre que coma para treinar, não treine para comer!